Veja 4 boas práticas para garantir a alimentação do gado na seca

4 minutos para ler

Quando o assunto diz respeito à criação de bovinos, nada é mais importante que a alimentação do gado para obter o maior potencial possível dos animais. No Brasil, os pastos representam a maior fonte de alimento do rebanho, proporcionando aos produtores uma excelente oportunidade de aumentar eficiência e produção.

No entanto, as épocas de seca podem gerar um grande obstáculo para a produtividade da fazenda, pois comprometem as pastagens. Assim, o produtor corre o risco de ter prejuízo com a perda do gado, adoecimento dos animais ou queda da qualidade da carne.

A boa notícia? É possível reduzir o impacto que a estiagem traz ao campo. A seguir, confira práticas valiosas que você deve adotar para manter a nutrição do seu rebanho e garantir bons lucros na criação de gado.

1. Planeje as ações

Uma das atitudes mais eficazes para enfrentar períodos sem chuva é planejar o regime nutricional do gado. Na ausência de forragem específica para o inverno, os animais tendem a se alimentar dos brotos do pasto. Isso prejudica tanto o desempenho deles quanto o desenvolvimento da pastagem.

Separar uma parte do pasto em épocas de chuva ou apostar no plantio de determinadas forrageiras nesses períodos é uma ótima opção. A consequência consiste em uma alimentação balanceada e no alcance da quantidade apropriada para o seu crescimento e bem-estar.

Algumas alternativas são cana-de-açúcar, capim-elefante, leguminosas forrageiras etc. Também é essencial que o produtor saiba quantos animais serão alimentados, qual é o peso estimado para cada um no período da seca e quanto tempo a estiagem durará.

2. Adquira alimentos concentrados e volumosos

Buscando assegurar a nutrição dos animais, é importante entender que a matéria seca deve ser composta por matéria orgânica e mineral. Isso torna a dieta do rebanho rica em carboidratos e lipídios para dar energia, bem como proteínas, vitaminas, micro e macroelementos.

Quando a pastagem não está adequada ao consumo, todas essas substâncias podem ser encontradas em alimentos concentrados e volumosos. Entre eles figuram os grãos de cereais (arroz, sorgo, milho, trigo), raízes e tubérculos (mandioca, batata), gorduras, oleaginosas (amendoim, soja), óleos vegetais e animais.

3. Invista na suplementação animal

Durante a estiagem, as forrageiras apresentam baixo valor nutricional, especialmente nos níveis de proteínas. Por esse motivo, a suplementação se faz necessária na alimentação do gado. O objetivo é confirmar que o rebanho receba todas as proteínas, minerais, carboidratos e vitaminas na quantidade correta para evoluir da maneira ideal.

Os principais tipos de suplementação são mineral, com ureia, com proteína ou energética. A escolha depende das características do rebanho, dos objetivos do produtor e das condições gerais de alimentação nas quais os animais estão inseridos.

4. Faça uma boa silagem

O uso da silagem durante épocas secas aparece no topo da lista do ranking das melhores formas de assegurar uma nutrição de qualidade ao rebanho. Além do mais, é um dos principais alimentos das vacas na fase de lactação.

Indica-se iniciar a produção da silagem em períodos nos quais as forrageiras se desenvolvem bem. Em seguida, devem ser colhidas, compactadas e armazenadas em silos. É preciso ter bastante atenção no armazenamento, pois caso ocorra de modo errado, há a perda de todo o material.

Enfim, a alimentação do gado está diretamente ligada à rentabilidade da fazenda. É fundamental, então, seguir as dicas acima para enfrentar o período de estiagem. Desse modo, o rebanho ganhará o peso adequado, permanecerá saudável e terá um excelente desempenho, resultando no sucesso da sua produção.

Quer saber mais sobre a alimentação dos animais? Não deixe de conferir nosso artigo e conhecer os tipos de mistura para silagem para gado de corte!

Você também pode gostar

Deixe um comentário