Como reduzir o uso de agrotóxicos na agricultura? Confira nossas 3 dicas

3 minutos para ler

O uso de agrotóxicos na agricultura tem sido bastante discutido pelos empresários do setor e também por toda a sociedade. Os comprovados malefícios dessas substâncias para a saúde humana requerem uma ação mais estratégica do gestor do campo, a fim de garantir a produtividade e a qualidade da plantação.

A boa notícia é que, atualmente, já existem formas de reduzir o uso de agrotóxicos na agricultura. Confira as três dicas que separamos para você a seguir!

1. Controle biológico

Uma alternativa eficiente para substituir o uso do agrotóxico: apostar no controle biológico, técnica baseada na introdução de parasitas, predadores ou patógenos das pragas presentes na lavoura. No Brasil, essa metodologia de cultivo é pouco utilizada, pois ainda apresenta usabilidade complexa, porém já existem avanços significativos.

Útil no combate a diferentes espécies de lagartas, o parasitoide Trichogramma spp figura entre os mais usados no controle biológico. As perdas na utilização de agrotóxicos representam um grande desafio dos gestores do campo e ocorrem de diversas maneiras, sendo a deriva uma das de maior frequência.

O motivo da preocupação da perda do produto durante a aplicação consiste no fato de que isso pode acarretar na contaminação dos solos e lagos, comprometendo também áreas vizinhas para onde o produto é escoado.

Assim, capacitar o agricultor e seus trabalhadores acerca da correta aplicação dessas técnicas é fundamental para promover o máximo aproveitamento do produto, assim como a eficiência no controle químico. Dessa forma, ainda se consegue eliminar o desperdício de itens e a necessidade de inúmeras aplicações por safra.

2. Manejo Integrado de Pragas e Doenças (MIP)

Também conhecido como MIP, o Manejo Integrado de Pragas consiste em um aglomerado de práticas. Nelas estão incluídas as anteriormente citadas, proporcionando o controle sustentável de pragas, com o objetivo de diminuir as aplicações de agrotóxicos no campo.

Assim, o MIP reúne um conjunto de ações para manter as populações de insetos e pragas abaixo do nível de dano financeiro. Para isso, o gestor do campo deve investir no monitoramento das pragas, combatendo inimigos naturais e doenças, além de promover a rotação de culturas.

Portanto, com a utilização em conjunto de todas essas ações do MIP, é possível proporcionar ao produtor uma maior segurança ambiental na produção. De quebra, nota-se ganhos de eficácia nos métodos de controle, reduzindo o custo do uso de agrotóxicos, já que existe clara diminuição.

3. Sistema de Plantio Direto (SPD)

A utilização do plantio direto vem se modernizando. Ao longo do tempo, passou de uma simples técnica de espalhar sementes sobre a palha para um sistema completo, que envolve questões desde as primeiras etapas do cultivo até o controle fitossanitário da lavoura.

Nesse cenário, ao aplicar os preceitos do SPD, a exemplo da rotação de culturas, cai a frequência do controle químico. Logo, o manejo correto do sistema é a melhor maneira de eliminar pragas e conquistar produtos de qualidade.

Utilizando essas dicas que preparamos para você, fica mais fácil a diminuição do uso de agrotóxicos na agricultura, conquistando também melhores resultados na lavoura. Lembre-se, então, de considerar as alternativas: controle biológico, MIP e SPD.

O que você achou do artigo? Foi útil? Ficou com alguma dúvida? Tem algo a acrescentar? Deixe seu comentário conosco!

Você também pode gostar

Deixe um comentário