7 dicas de como fazer a silagem para utilizar na pecuária leiteira

Na cadeia produtiva de criação de gado, uma estratégia certeira para manter ou impulsionar a produtividade é investir na alimentação dos animais. Isso se deve ao fato de que uma dieta balanceada — somada às boas práticas de sanidade e de manejo — potencializa o alto desempenho genético dos bovinos. Para garantir uma nutrição adequada, entretanto, é preciso saber como fazer silagem.

Esse processo é a melhor forma de suprir as demandas nutricionais dos bovinos, uma vez que as pastagens brasileiras não são suficientes para tal. Mesmo com solos férteis e a vasta extensão territorial, nossos pastos ou são deficientes em um ou outro elemento, ou são escassos na época da seca.

Assim, como fazer silagem de forma correta e ter a certeza de um bom rendimento futuro na produção de leite? Continue a leitura do nosso artigo e veja algumas dicas que preparamos para você!

1. Realize um planejamento

O primeiro passo a ser dado por quem está pensando em como fazer silagem é realizar um bom planejamento. O pecuarista precisa definir as suas metas de produção — por exemplo, volume em litros, teor de gordura do leite etc. — e, a partir disso, elaborar um plano estratégico.

Isso resultará na melhor dieta possível para atingir os objetivos. Além disso, é fundamental que se faça uma avaliação detalhada, levando em conta o tamanho da propriedade, do rebanho e a meta de produção. São aspectos que precisam ser ponderados:

  • os custos da produção da ensilagem;
  • os riscos do processo;
  • a mão de obra necessária;
  • quantidade de ensiladeiras;
  • frota de caminhões etc.

É bom lembrar que a silagem deve fazer parte dos planos do pecuarista não somente na época da estiagem, além de ser projetada para atender as exigências nutricionais que asseguram a produtividade do rebanho. Assim, incluir grãos na dieta do gado leiteiro influencia diretamente a qualidade do seu leite.

2. Prepare o solo

Para se ter uma forrageira de qualidade, é preciso preparar o solo para fazer a sua semeadura. Para tanto, é imprescindível que se faça uma análise química do solo. Dessa forma, o produtor sabe exatamente como agir e quais são as intervenções e as correções necessárias para a sua propriedade.

A falta de nitrogênio, por exemplo, mascara o momento ideal para começar a colheita. Após a análise, sem desperdícios e sem erros, o produtor pode proceder com a semeadura da pastagem. Contudo, é preciso estar atento a essas condições durante todo o plantio, visto que o solo pode se esgotar ao longo do tempo.

3. Invista na lavoura

A produtividade dos bovinos está diretamente ligada à sua alimentação, certo? Dessa forma, a produtividade da forrageira está intimamente ligada à sua interação com o meio ambiente. Isso significa que é preciso investir na lavoura. Destaca-se o uso de fertilizantes ou adubos orgânicos que supram as necessidades de cada espécie vegetal e que proporcionam a alta performance da pastagem.

4. Escolha o híbrido para a silagem

escolha do híbrido (geralmente milho) para a lavoura é de extrema importância para o negócio e influencia significativamente a produtividade da silagem. Isso porque as espécies apresentam diferentes características em relação à sua época de plantio e, consequentemente, também têm diferenças no período de colheita.

É importante que o produtor escolha um híbrido que seja adaptado aos meses de plantio da sua região e, também, que apresente atributos que agreguem mais valor nutricional à dieta do gado. Plantas de porte alto, que aumentem o volumoso e que tenham boa digestibilidade de fibras são as que devem estar sob o foco do pecuarista.

5. Atente-se para a colheita

A época da colheita da forrageira também é um ponto crucial para a produtividade da silagem e influencia a qualidade do produto. Os níveis de umidade e de açúcares dos grãos devem estar no ponto ideal para proceder à ensilagem.

O processo de fermentação que ocorre dentro do silo é aperfeiçoado de acordo com as reservas de açúcar (que serão consumidas pelas bactérias anaeróbias) e, quanto melhor for a realização desse processo, maior será a garantia dos nutrientes da forrageira in natura na silagem.

O momento ideal para a colheita do milho é quando a plantação atinge de 30 a 35% de Matéria Seca (MS), ou com 70% de amido acumulado, quando os grãos estão no ponto farináceo. O monitoramento para o ponto de corte tem início no trigésimo dia após a floração.

6. Escolha bem o silo e faça a ensilagem corretamente

Essa é a etapa mais crítica de todo o processo de ensilagem. Depois de ter investido muito na lavoura, é de suma importância que a compactação da forrageira e a vedação do silo sejam executadas com preciosismo. A escolha do tipo de silo e a sua localização devem levar em conta o planejamento do produtor e as particularidades da propriedade.

É recomendado, ainda, que o procedimento não ultrapasse três dias. Quanto à vedação do silo — tática que assegura a não entrada de ar nem umidade no compartimento (condições essenciais para que ocorra a fermentação adequada) —, é indicado o uso de uma lona plástica de qualidade, dupla face, bastante espessa e que tenha tratamento anti-UV.

7. Faça a abertura do silo corretamente

Depois de todo o processo de ensilagem bem-feito, a abertura do silo exige cuidados específicos e deve ser feita com a mesma atenção dos demais procedimentos. Para evitar desperdícios e garantir que a silagem chegue ao cocho do rebanho com o mesmo valor nutritivo do material que está dentro do silo, indica-se retirar uma camada de 30 cm diários.

É necessário excluir partes degradadas ou fungadas. Além disso, o silo deve ser vedado após cada retirada de material, que precisa ser oferecido ao gado imediatamente após a sua retirada — jamais reservá-lo para horas ou dias depois! Nunca é demais lembrar, também, que o processo de ensilagem requer muita atenção e exige algumas práticas de boa segurança na fazenda.

Como você pode perceber, cada uma dessas etapas tem um papel fundamental para a qualidade da silagem. Dado que a produtividade do gado leiteiro depende diretamente da sua nutrição, é essencial que o produtor monitore todas as fases de produção do seu alimento.

É por meio de uma dieta balanceada que o rebanho produzirá leite com as características exigidas pelo mercado consumidor. Ao estar atento aos detalhes de como fazer silagem e executar as práticas com capricho, o pecuarista evita prejuízos, garante a qualidade do produto e aumenta a rentabilidade e a lucratividade do negócio.

E então, nosso artigo foi útil para você? Agora, aproveite e se informe também sobre os tipos de mistura de silagem para o gado de corte!

Siga nossas redes Sociais

Confira Também

A origem da Tambasa graças ao seu Miguel

O artigo “A origem da Tambasa graças ao seu Miguel” mergulha profundamente na fascinante trajetória da Tambasa, uma empresa que se destaca por suas raízes