Conheça as melhores técnicas para a produção de mudas!

6 minutos para ler

A produção de mudas é uma prática que tem sido muito aplicada na agricultura brasileira, pois permite maior produtividade já no primeiro período de crescimento das plantas. Para os grandes produtores, é ainda mais benéfica porque diminui o desperdício de sementes e o desgaste do solo.

Ao adotar a técnica chamada “mudão”, obtêm-se mudas com mais resistência e tolerância ao transplante, garantindo uma colheita com mais qualidade, que resultará em maior lucratividade ao produtor. Quer saber mais sobre o assunto? Então, acompanhe o post para esclarecer todas as suas dúvidas.

Afinal, o que é produção de mudas?

É o início do crescimento de uma planta, que se desenvolve em local específico e cerca de 30 dias depois é transportada para um lugar definitivo até sua colheita. Assim, consiste na semeadura em bandejas ou recipientes individuais, que devem estar de acordo com as necessidades da espécie a ser cultivada.

Produzir mudas é o sistema mais indicado, principalmente em cultivos protegidos, ou seja, feitos em estufas agrícolas com o objetivo evitar que a plantação sofra com mudanças climáticas ou ataque de pragas.

Quais as vantagens desse sistema?

A utilização de mudas de boa qualidade é indispensável para ter sucesso no cultivo. No entanto, adquirir mudas de terceiros traz dois problemas: a não garantia da organicidade e o alto valor cobrado. Desse modo, optar pela produção das mudas assegura economia e a boa procedência da planta do início ao fim do processo.

Por outro lado, plantar diretamente no solo não se mostra uma boa alternativa. Isso porque é preciso nutrir toda a extensão de terra e distribuir uma grande quantidade de sementes. Vale lembrar que não há nenhuma garantia de que todas germinarão, pois em campo aberto as plantas apresentam baixa resistência às condições climáticas e correm o risco de serem atacadas por pragas.

O sistema de produção de mudas permite que apenas as sementes bem desenvolvidas sejam colocadas em uma pequena quantidade de solo nos recipientes, gerando redução dos custos com defensivos e fertilizantes, além de manter o alimento orgânico livre de toxinas. A seguir, confira outros motivos para esse sistema estar em expansão:

  • tem baixo custo;
  • aumenta a produtividade da plantação;
  • proporciona mais uniformidade da produção;
  • permite maior controle fitossanitário;
  • oferece sistemas radiculares com desenvolvimento melhor, pois não há entrelaçamento com mudas vizinhas;
  • é resistente ao transplante;
  • faz com que as plantas sejam mais resistentes;
  • aumenta a qualidade dos alimentos produzidos;
  • promove redução do período de produção;
  • diminui a quantidade de sementes a serem utilizadas;
  • gera economia na agricultura;
  • possibilita utilizar apenas a quantidade necessária de substrato para cada espécie;
  • permite maior aproveitamento de nutrientes, luz e água;
  • promove a proteção contra intempéries e pragas.

Como a produção de mudas é feita?

Agora que você conhece os principais benefícios do sistema de produção de mudas, é hora de saber como é feito. O processo é bastante simples. Contudo, é preciso muito cuidado do manejo para garantir que as sementes germinem, que as mudas sejam vigorosas e que a colheita seja de excelente qualidade. Acompanhe o passo a passo a seguir.

Prepare os recipientes

Conforme comentamos no início, as mudas podem ser produzidas em bandejas com várias células ou em recipientes individuais, como tubetes ou embalagens feitas de plástico ou papel. A escolha deve ser feita de acordo com a espécie, permitindo espaço suficiente para que as raízes se desenvolvam.

O substrato deve ser o específico para a produção de mudas e pode ser adquirido em comércios especializados ou produzido pelo próprio produtor sob a orientação de um profissional.

Escolha o local

Esse passo é fundamental para garantir o bom desenvolvimento das plantas. As mudas devem ser cultivadas em uma estufa agrícola para que fiquem protegidas contra doenças e intempéries. Outra vantagem do cultivo protegido é a possibilidade de criar um ambiente adequado para a plantação.

A cobertura da estufa deve ser feita com lona ou filme agrícola que permitam a passagem de luminosidade adequada para a espécie a ser cultivada. As bandejas ou suportes para as embalagens devem ficar em bancadas com, no mínimo, 30 cm acima do solo, pois isso facilita a semeadura e manejo, além de evitar o contato com plantas invasoras ou ervas daninhas.

Plante as sementes

No centro de cada recipiente, faça manualmente uma cova pequena, com uma profundidade entre 0,5 cm e 1 cm e coloque de 2 a 3 sementes. Se forem sementes peletizadas ou híbridas, semeie apenas uma.

Em seguida, cubra-as com uma pequena fina de substrato sem compactar a terra e retire o excesso com um nivelador. Utilizando um borrifador, faça a primeira irrigação até o substrato ficar úmido. Certifique-se de que o solo permaneça sempre bem irrigado, mas não encharcado.

Faça o desbaste

Entre 5 e 10 dias após a semeadura, faça o desbaste de cada muda. Isto é, elimine as plantas excedentes de cada recipiente e as plantas mais fracas, deixando apenas uma muda por célula para garantir a uniformidade.

É importante verificar o plantio diariamente para observar a ocorrência de anormalidades, pragas ou doenças.

Transplante

Em aproximadamente 25 ou 30 dias, as mudas terão de 7 cm a 10 cm e entre 4 a 6 folhas. Essas características indicam que estão prontas para serem transplantadas para o local definitivo. Tome cuidado para não quebrar os torrões ao retirar as mudas das embalagens e plantá-las. Para isso, o ideal é irrigá-las antes do transporte.

A cova deve ter profundidade para comportar a raiz com todo o substrato. Após colocar a muda, nivele a cova com terra e faça uma leve pressão ao redor da planta.

Em que consiste a técnica chamada “mudão”?

Os processos do agronegócio evoluem constantemente e isso não seria diferente com a produção de mudas. Muitos produtores optam por uma técnica chamada “mudão”, que consiste em fazer com que a muda se desenvolva na estufa por mais tempo.

Em grande parte dos casos, a muda fica no cultivo protegido por aproximadamente 60 dias ou até a saída da primeira florada. Com isso, ganha massa vegetativa, antecipa-se o início da colheita e aumenta-se a quantidade de ciclos de produção da espécie. Isso significa que o produtor terá maior produtividade por área/ano.

Portanto, a produção de mudas é uma prática extremamente benéfica para o agronegócio, pois reduz os custos, aumenta a produtividade e possibilita uma colheita com qualidade excelente. Para isso, basta ter cuidado no manejo e usar uma estufa que promova o bom desenvolvimento das plantas.

Ficou com alguma dúvida sobre o assunto ou tem algo a acrescentar? Deixe um comentário abaixo e compartilhe com a gente suas ideias e experiências!

Você também pode gostar

Deixe um comentário