Como fazer orçamento de obra e apresentar para os clientes? Descubra!

7 minutos para ler

Estimar os custos de uma construção ou reforma é algo que todo profissional do ramo deve saber fazer. Porém, realizar orçamento de obras não é uma tarefa fácil — mesmo para quem lida com isso há tempos.

Por isso, muitos engenheiros, arquitetos e empreiteiros têm dúvidas sobre como fazer orçamento de obra e dedicam-se a resolver essa questão. Contudo, não percebem que a maneira como se apresenta o orçamento ao cliente também é um ponto-chave para o negócio.

Sendo assim, como deve ser feito o orçamento de obras? E o que você precisa levar em consideração na hora de apresentá-lo ao cliente? Acompanhe a leitura do nosso artigo e descubra!

Como fazer orçamento de obra?

Fazer propriamente o planejamento dos custos da obra é fundamental, pois permite, tanto ao cliente quanto ao empreiteiro, saber exatamente a quantia que será gasta. E, assim, é possível elaborar uma programação de gastos realista, levando em consideração cada uma das fases da construção.

Além disso, essa projeção possibilita fazer alterações nos materiais, procurar melhores descontos no mercado e tornar o processo de compras mais eficiente — evitando perda de materiais ou atraso por falta deles. Por isso, confira algumas dicas para elaborar um orçamento realista e assertivo!

Faça um levantamento quantitativo detalhado

Faça um levantamento quantitativo de todos os insumos e materiais que serão utilizados na obra — areia, brita, cimento, concreto, impermeabilizantes, pisos, contrapisos, alvenaria, revestimentos, etc.

Utilize as CPUs e contate os fornecedores

A partir do levantamento de quantitativos, pode-se escolher as Composições de Preços Unitários (CPUs) e determinar o custo aproximado de mão de obra, materiais e o prazo estimado para cada uma das atividades.

Também é possível utilizar dados históricos de produtividade, a fim de obter prazos mais assertivos, e também pesquisar os preços com, no mínimo, 3 fornecedores, caso seja desejado um orçamento extremamente realista e completo.

Realize a cotação dos custos diretos e indiretos

Os custos sobre mão de obra, gastos com luz, água, internet, tempo de uso dos equipamentos e combustível para o deslocamento até a obra não devem ser desmerecidos e precisam estar contabilizados. Para isso, assim como citado na dica anterior, procure, pelo menos, 3 fornecedores e faça um orçamento com eles.

Considere os impostos e as taxas

Da mesma forma, a carga tributária sobre os serviços também deve ser estipulada e exposta no orçamento. Afinal, sua ausência pode impactar extremamente a lucratividade e ainda gerar problemas junto aos órgãos competentes.

Calcule o BDI

A Bonificação e Despesas Indiretas — mais conhecida pela sigla BDI — é o indicativo do lucro da obra, associado aos tributos e às despesas indiretas, como: engenheiros, mestre de obra, encarregados, equipe administrativa, escritório, água, luz, internet, plotagens, entre outras.

A porcentagem varia de acordo com o tipo de edificação e o tempo de obra. Sendo assim, o BDI determina o preço final, que é o somatório dos custos diretos com os indiretos e o lucro.

Certifique-se da presença dos principais atributos de um orçamento

Os principais atributos de um orçamentos são: temporalidade, especificação e estimativa. Portanto, sempre se atente ao tempo, pois a duração de cada etapa e da obra impactará diretamente no custo final.

A especificação também é essencial, afinal, não se atentar a esse aspecto pode resultar em atrasos no cronograma, erros na execução e elevação das despesas. Além disso, a estimativa precisa ser sempre verificada, pois diversos são os fatores que a impactam, como localidade, característica da mão de obra, método construtivo, entre outros.

Analise a curva ABC

A curva ABC é uma ferramenta que indica quais insumos, materiais e mão de obra representam maior impacto no valor final. Por isso, ela se divide em:

  • classe A — os itens que mais impactam o custo total;
  • classe B — os itens que apresentam um impacto médio no custo total;
  • classe C — os itens com baixo impacto no custo total.

Por meio dessas informações, é possível verificar quais materiais, insumos e mão de obra precisam ser mais bem negociados e quais demandam maior atenção.

Como apresentar o orçamento para os clientes?

O cálculo da obra é uma das etapas mais importantes da construção, pois ele servirá como referência ao longo de todo o andamento do trabalho. E ter essa base de consulta é o que garante a boa execução do serviço — principalmente o cumprimento dos prazos e custos estipulados. Já a forma como você apresenta as estimativas pode ser o fator determinante na decisão do cliente de fechar o negócio ou não.

Por isso, a apresentação do orçamento da obra deve ser feita com atenção, visto que a maneira como você aborda o cliente e expõe o seu serviço é o aspecto que determina o fechamento do negócio. Isso porque um orçamento bem-detalhado, acessível e com uma linguagem fácil demonstra profissionalismo, conhecimento e respeito com o cliente.

Entregar o levantamento de custos de forma objetiva faz com que o cliente veja exatamente para onde está indo o seu investimento. Além disso, ele pode perceber a capacidade do empreiteiro de buscar alternativas ao longo da obra.

Para tanto:

  • identifique a sua empresa;
  • monte uma planilha orçamentária detalhada — porém, lembre-se de diluir o BDI proporcionalmente em cada um dos itens;
  • crie uma apresentação em PowerPoint com os principais pontos;
  • procure apresentar o orçamento pessoalmente;
  • certifique-se de que o cliente recebeu o e-mail, caso a apresentação não seja presencial.

Um orçamento bem-planejado é essencial para dar início à edificação, evitar exceder o valor previamente destinado à obra e permitir lançar novas estratégias, caso não seja possível atender à primeira opção.

Lembre-se de que sempre é importante repensar a forma como o orçamento é apresentado. Afinal, essa é uma boa maneira de avaliar se é nessa etapa que você está cometendo erros.

Entregar ao cliente uma planilha clara e detalhada demonstra a postura da empresa e a responsabilidade com o serviço prestado. Contudo, essa planilha entregue ao cliente é modificada, sendo menos detalhada que a que você realizou para fins de cronograma físico e financeiro.

Essa entregue ao cliente é a de preço — ou seja, quando você já incluiu e diluiu todos os custos, as despesas, os impostos, as taxas e o lucro — chegando ao preço final que será pago ao cliente. Enquanto isso, a planilha que você utiliza para acompanhamento dos custos durante a obra é a de custos.

Atentar-se a esse aspecto proporcionará uma melhor apresentação, do serviço como um todo, assim como de todas as atividades que serão desempenhadas, do custo de cada uma delas e também do prazo estimado.

Nem sempre o cliente tem conhecimento técnico. Por isso, na apresentação, além de evidenciar o que será realizado, é necessário conseguir comunicar ao cliente que seu sonho ou objetivo será realizado. Não se esqueça de que a apresentação de orçamento de obras é uma das etapas do processo de vendas, demandando preparação e comunicação eficaz.

Portanto, se você gostou deste texto, deixe um comentário, contando quais foram as dicas que você mais gostou ou o que mais achar pertinente em compartilhar!

Você também pode gostar

Deixe um comentário